O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   21 de Janeiro de 2021
Publicidade

Novas Câmaras com conteúdo velho

08/01/2021 - 08h21

Manoel Afonso

REPERCUTE: Enquanto o deputado Dagoberto Nogueira (PDT), mesmo  envolvido  nas eleições de Campo Grande foi o campeão em gastos na ‘cota parlamentar’ com R$411.343,03, o seu colega Fábio Trad (PSD) conseguiu o exercício pleno do mandado  eficiente gastando só R$55.046,16. Ao leitor resta a sabia e única conclusão. De leve...


ESBÓRNIA:  “ Constituição tem 103 vezes a palavra “direitos” e 9 vezes a palavra “deveres”, Trata-se, claro, de uma conta que não fecha (-) nosso país gasta 14% do PIB para sustentar o funcionalismo público, enquanto  o Japão usa 5% do PIB. O Brasil não consegue  pagar essa conta.” (Ricardo Barros (PP-PR), líder do Governo na Câmara.


CALMA!  Os novos vereadores não podem se precipitar. Tudo ao seu tempo. Primeiro as noções básicas do cargo e as atribuições. Mas estão previstas  proposições de títulos de cidadania, votos de pesar, de louvor, denominação de ruas e logradouros. Detalhe: a formação cultural ajuda, mas não é determinante assim como o estilo do nó da gravata.  


EQUÍVOCOS: Pesquisas mostram que a maioria dos vereadores sonha com o cargo de prefeito, inclusive os novatos delirando pelo sucesso do batismo nas urnas. A disputa por espaços na Câmara e na mídia é esperada. Alguns conseguirão, mas outros passarão despercebidos, anônimos, ao longo do mandato. E 4 anos passam rapidinho – vapt vupt.


BALELA: Aquelas utopias de campanha e início de mandato serão logo esquecidas e trocadas por posturas ‘pragmáticas’ comuns na vereança. Vão priorizar a sobrevivência  do mandato, as vantagens financeiras ( salários, verbas de representação e as famosas diárias) e as nomeações  de correligionários na  administração municipal.


AMARGO: O fim da vereança por força das urnas não é agradável.  Sem mandato o cidadão deixa de ser referência, não é mais consultado na comunidade. Isso gera  certo desconforto social. Enfim, retornar à antiga realidade exige  humildade contra aquela vaidade que embalou o status do cargo. Aliás, como tudo na vida tem início e fim.


‘VASO BRASIL’: Ficará entupido ganhe quem ganhar na Câmara Federal. O deputado Arthur Lira (PP-AL) é réu no STF e acusado de ‘rachadinhas’.  Baleia Rossi (MDB-SP) tem apoio do presidente Rodrigo Maia,  do PT e da esquerda  contra o ajuste fiscal, a desestatização , as reformas  e a diminuição do tamanho do Estado. 


‘ALZHEIMER’?  O DEM era o PFL  que o ex-presidente Lula (PT) tentou exterminar e depois foi um dos algozes de Dilma. Agora o DEM e PT esquecem tudo e se associam  para presidir a Câmara, num provável 1º ato preparatório do impeachment  presidencial que já teria a  benção do STF inclusive. Aí o eleitor fica pirado, não entende essa zorra.


COMPARANDO:  Obama levou sorte com a crise financeira em 2008 e ganhou de  John MaCain.  Trump  estava em alta até o Covid chegar. Bem nas pesquisas de hoje Bolsonaro dependerá em 2022 de 3 fatores:  economia em alta,  sucesso do combate ao Covid e da postura dos adversários – para os quais quanto pior a situação - melhor!


DEBOCHE: 10 suplentes assumindo na Câmara Federal no lugar de eleitos a prefeito e vice prefeito.  Em pleno recesso ganham salário, cota parlamentar e auxílio-mudança.  Sem sessões não apresentam projetos, sem discursos e nem participam das comissões. Nada a fazer!  O fato vitamina a descrença da opinião pública em nossas instituições.


SUCESSÃO: Em 2022 teremos ao menos 8 candidatos a governador, sendo para alguns uma eleição preparatória das eleições da capital em 2024. A deputada Rose Modesto (PSDB) nesse rol. Ela quer chegar ao 2º turno. Se não vencer mas tendo boa votação em Campo Grande, terá preparado o terreno para a disputar a prefeitura dois anos após.


 POLÍTICA: Nela nem sempre a derrota é perder. O derrotado pode se beneficiar pela experiência adquirida. Exemplo: em 2012  Reinaldo Azambuja (PSDB)  ousou candidatar-se a prefeito  da capital. Perdeu mas surpreendeu com a boa votação ( 25% dos votos) – o que viabilizou  a candidatura com sucesso ao governo dois anos após.


DOURADOS: Em 2022 teremos eleições! Os derrotados acompanham o novo governo. Interesses convergentes e conflitantes existem na cidade tão rica e complicada.  Com 4 deputados estaduais e o vice governador, a cidade precisa manter seu peso político no Estado. Hoje, a prioridade do prefeito é viabilizar seu governo ainda indecifrável.  


DUPLA AÇÃO: O prefeito Alan Guedes (PP) precisa viabilizar a gestão nos 6 meses iniciais e só  após pensar em política. Mas apenas o apoio da Câmara é pouco. Necessita  sim de emendas federais e estaduais dos 4 parlamentares de olho na reeleição.  Oriundo da Câmara, Alan teria a leitura pragmática de tentar agregar apoios nesta hora difícil.


ISOLADO?  Nem pensar! A hipótese remota leva-nos ao exemplo de Alcides Bernal (PP) em Campo Grande – sucumbindo ao não dialogar com a classe política. Mas Alan é articulado, tem DNA político, esteve do outro lado do ‘balcão’, sabe: a construção política passa pelo diálogo, sensibilidade, a arte de ouvir  e  também de virar a página.


UM DRAMA: A reeleição de prefeitos tem um lado complicado e pouco mostrado.  Geralmente para se reeleger o prefeito faz alianças diversas e com elas as promessas de prestigiar grupos e siglas na futura gestão. Aí vem o fato complicador: os funcionários ( também fieis no pleito) não aceitam perder seus empregos. E como resolver isso?


INEXPLICÁVEL: O deputado Lucas de Lima (SOL) foi à Alagoas visitar parentes e  voltou  espantado com a lotação das praias no pico do Covid, onde só os ambulantes estavam a trabalho. Lembrei-lhe de Kafka, segundo o qual ‘o mundo coletivo funciona  por razões que a razão individual desconhece’. Bem...depois não adianta chorar.


‘PLIM PLIM!’: A Crefisa, ( parceira do Palmeiras, coincidentemente  o clube de Bolsonaro) desistiu de patrocinar o JN (R$ 15.049.000 mil mensais) - onde o comercial de meio minuto no intervalo custa R$847 mil.  A concorrência da internet  e a crise - as causas. Odiada também pelo PT, a saída da Globo seria apostar  as fichas em Hulk?  


‘QUE FASE!’: O governador paulista João Dória (PSDB) massacrado nas redes sociais por conta também de 2 episódios: sua malfadada viagem à Miami em plena pandemia e o decreto do ICMS de produtos do agronegócio. Sairá menor da pandemia; seu projeto de disputar o Planalto foi água abaixo. Não há vacine que o salve destas enrascadas.


 PONTO FINAL:  “ ( - )...Estes são tempos de parar para pensar: difícil, eu sei.  O que ando fazendo da minha vida, do meu dinheiro ou da minha necessidade, dos meus amores ou rancores, como estou construindo minha existência ou destruindo o que toco. (-)...Quero de volta a minha vidinha cotidiana, para receber família e amigos...”  (Lya Luft)


Política – É a luta de interesses disfarçada de disputa de princípios. (Ambrose Bierce)

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Manoel Afonso
Colunistas
Ampla Visão
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS