O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   07 de Dezembro de 2021
Publicidade

‘União Brasil’: um partido da conveniência?

22/10/2021 - 07h46

Manoel Afonso

‘UNIÃO BRASIL’: Um partido da conveniência? Uma espécie de fruto de inseminação artificial?  Para questionar sua bandeira basta analisar o currículo de seus principais personagens nacionais. Aqui, a futura sigla não tem empolgado, há dificuldades na atração de lideranças. A deputada Rose Modesto (PSDB) não se entusiasmou com o convite.


LEMBRANDO… É difícil viabilizar uma nova sigla devido as características políticas do Mato Grosso do Sul. Aliás, na década de 80, investidos em mandatos parlamentares, Leite Schimdt e Rubem Figueiró tentaram sem sucesso implantar o PP. Em 1982 houve mudanças na lei eleitoral pelo presidente João Figueiredo e o PP foi incorporado ao MDB.


DR ULYSSES: ‘Lá em cima’ decepcionado com os ‘paladinos’ da moral do MDB. Na extensa lista, duas lideranças regionais: o ex-prefeito de Maracaju Maurílio Azambuja (de tornozeleira/denunciado por irregularidades) e do ex-governador Puccinelli, sofrendo nova derrota no Judiciário federal.  Pior do que as sentenças é o veredito soberano da opinião pública.


PREVISÕES: Pela postura do senador Renan Calheiros na CPI da Vacina, parte do MDB ficará com Lula. Há também emedebistas se agrupando em torno de Bolsonaro; quem delire com a candidatura própria e aqueles que apostam na terceira via. Políticos profissionais experientes, eles devem esperar a hora certa para fazer um bom negócio.


ARTHUR VIRGÍLIO: Tem currículo, impressionou. É bom debatedor. Diplomata de carreira (Instituto Rio Branco), prefeito de Manaus e deputado federal por 3 mandatos cada, senador, líder do Governo FHC na Câmara e seu ministro, coordenou as campanhas presidenciais de Tancredo Neves e Mario Covas. Frase dele na coletiva em Campo Grande: “Num país onde tem democracia não há fome, não falta comida”.


DEPUTADOS & AÇÕES: Paulo Corrêa:(PSDB):  ajudou a criar programa de emissão de carteiras gratuitas de habilitação de motoristas; prorrogou, a pedido de deputados, a suspensão dos trabalhos da CPI da Energiza.  José Teixeira (DEM): atento as questões ruralistas e do meio ambiente; lamenta a lentidão das obras do aeroporto de Dourados e sugere a ajuda da ministra Tereza Cristina.  Lucas de Lima (Sol): tem projeto obrigando a exibição de vídeos educativos contra as drogas nos cinemas; presente ao lançamento do programa MS+Esporte; aprovado seu projeto que incentiva a propaganda de incentivo a  maior vacinação anti Covid.  João H. Catan (PL): Entregou R$835 mil (do total de Cr$1,8 milhão) em emendas para entidades e setores da gestão pública de Paranaíba; declarada de utilidade pública a Sociedade Abrigo dos Bichos em Campo Grande. Mara Caseiro (PSDB): atendida no pedido de asfaltamento (31 kms) da ‘Estrada da Balsinha’ em Naviraí; pede asfalto na rodovia Bandeirantes-Rio Negro; lançou a campanha ‘Lenço Solidário’ no Outubro Rosa contra o câncer de mama.


CANSAÇO: “…São muitas as razões para estarmos cansados. Na política então, estamos a ponto de ter de volta a gangue do PT porque a gangue bolsonarista parece pior agora. O Brasil vive seu ocaso político: a classe política é um lixo, a elite sempre oportunista com pitadas de solidariedade gourmet, o pensamento orgânico do PT se prepara para retomar sua hegemonia na máquina de produção de conteúdo…” (Luiz Felipe Pondé)


IMPROVÁVEL: Após a CPI assim é avaliada a chance de condenação imediata ou impeachment do presidente Bolsonaro. Tem a seu favor o procurador geral Augusto Aras e presidente da Câmara Artur Lira. Mas sem mandato, alguns destes casos desceriam para instâncias inferiores – onde promotores e magistrados revoltados com o destino da Lava Jato poderiam mudar o quadro.


ELEIÇÕES 2022:  Por essa exposição sintetizada o leitor já entendeu a importância  para Bolsonaro se reeleger. Sem mandato perde a blindagem, perde o cacife das barganhas.  No Brasil é assim. Afinal, dos 512 deputados federais ele precisa de 342 para impedir que o pedido de impeachment prospere na Câmara. Muito? Pouco? Depende…


ERRARAM… Os ex-presidentes Collor de Mello (PRN) e Dilma Roussef (PT) jogaram equivocamente e perderam o cargo. Vale citar o caso do ex-prefeito Alcides Bernal (PP)  de Campo Grande. Não teve o senso político (jogo de cintura) nas relações com a Câmara Municipal. E deu no que deu. Política exige algo mais que prestígio: habilidade.


AÇÕES PARLAMENTARES:  Gerson Claro (PP): enaltece o investimento de R$120 milhões do Governo Estadual no esporte; presidiu reunião da CCJR que analisou 8 propostas; comemora a emenda de R$1850,00 mil que solicitou ao deputado federal Beto Pereira (PSDB) para a Saúde (compra de ambulância) e Educação de Sidrolândia. Pedro Kemp (PT): proposta sua dá aos trabalhadores da iniciativa pública e privada o direito de se ausentar do serviço para realizar exame da próstata. Neno Razuk (PTB): Sucesso o 1º Leilão que promoveu no dia 16 em prol da Causa Autista rendendo Cr$585.840 mil para as entidades da capital, Dourados e Navirai. Amarildo Cruz (PT): antenado, percorreu regiões atingidas pela tempestade na capital, ouviu a comunidade e encaminhou pedidos à Agepan, Procon e Energisa para restaurar a energia elétrica e outros serviços indispensáveis a vida urbana. José C. Barbosa (DEM): aprovado na CCJR seu projeto denominando Amaro de Souza a ponte no rio Dourados na MS.274;  vigilante, questionou os entraves que estão retardando o final das obras do aeroporto de Dourados.


DESGASTA?  Claro, a resposta depende da ótica de análise. Por quais razões os deputados Bia Cavassa (PSDB), Luiz Ovando (PSL) e Vander Loubet (PT) votaram a favor do projeto que enfraqueceria o Ministério Público? Um tema tão debatido antes na mídia  e que ganha o mesmo espaço após a derrota da proposta.  Quanto aos nossos outros 5 parlamentares (contra o projeto) se livraram de um baita desgaste.


SALVAÇÃO:  Para as siglas nanicas a ‘Federação dos Partidos’ seria a saída jurídica para fugir do castigo imposto pela clausula de barreira. Sem grana do Fundo Partidário e tempo na TV, caminhariam para a extinção. Embora unidos, esses partidos menores conseguirão manter suas identidades próprias. É diferente das coligações temporárias que só duram até as eleições.


LINHAS GERAIS:  Essa união de nanicos não ficará restrita só a uma eleição. Precisa durar por no mínimo 4 anos, englobando a eleição presidencial, as candidaturas estaduais e as atuações na Câmara e Senado. Na pratica será difícil manter a fidelidade e a mesma posição diante dos conflitos de interesses nas bases.  Proibido ser parceiro na Assembleia, Câmara, Senado e adversário no município. Aí é que serão elas!


CONVENHAMOS!  Impressiona a criatividade dos nossos congressistas em encontrar soluções para problemas que possam afetá-los. É o tal corporativismo onde as diferenças partidárias e pessoais são colocadas temporariamente de lado. Quando você pensa que  poderiam se regenerarem, eles retomam as velhas práticas do vale tudo. ‘Meu pirão – primeiro’.


PARLAMENTARES EM AÇÃO:: Marçal Filho (PSDB): em sessão, homenageou professores, administrativos e gestores da Educação; aprovado seu projeto humanizando o atendimento as mulheres vítimas da violência; sancionada lei contra o ‘stalking’ fruto de seu projeto. Lídio Lopes (Patri): foi ao Acre em missão da Unale onde promoveu o evento da entidade em novembro em Campo Grande. Evander Vendramini (PP): alvo de elogios da sociedade pelo seu projeto contra o oferecimento de empréstimos; sua atuação em defesa do pantanal rendeu-lhe reconhecimento do Governo Estadual. Capitão Contar (PSL); Pede medidas urgentes ao Procon, Agepan e Governo; requer um canal exclusivo da Energisa  para atender aos consumidores atingidos pela tempestade; pede pesagem eletrônica automatizada nas principais rodovias do MS.  Antônio Vaz (Rep):  feliz com aprovação de seu projeto dispondo sobre o prazo de validade do laudo médico pericial do Transtorno do Espectro Autista no âmbito do Estado. Gosta do que faz.


A FATURA: Foram R$2,3 bilhões a mais que o MS arrecadou com impostos entre janeiro e setembro. De R$9,6 bilhões em 2020 para R$11,9 bilhões; ou seja, 24% de aumento em 2021.  O ICMS foi o responsável por 84,31% de todos os tributos neste período – com crescimento de 26,93% em relação ao mesmo período do ano passado.


JUSTIFICATIVA: Com a crise do Covid as pessoas não gastaram e o consumo de bens caiu. A retomada da economia em 2021e a explosão de preços do petróleo no mundo aumentaram a arrecadação do ICMS em mais de 30%. Nesta mesma esteira veio a fatura a maior (14,87%) da energia elétrica. Enfim, essa crise sanitária acabou engordando os cofres dos Estados.


NOVOS TEMPOS: Quando foi que você emitiu ou recebeu o último cheque?  Cheque virou raridade. Os cartões de débito/crédito, as transferências eletrônicas e o PIX ajudam a diminuir o uso dos cheques. Outra consequência: aqueles que faturam descontando os cheques recebidos pelo comércio – antecipando a grana dos ‘pré-datados’ – tiveram o movimento reduzido.


CORREÇÃO: O candidato do PT Humberto Amaducci obteve no pleito de 2018  10,16% dos votos e não os 4% constantes na edição anterior. E a pergunta da hora: será que mantida a polarização Bolsonaro e Lula em 2022, o atual presidente repetiria os 872.049 votos (65,22%) obtidos no MS contra Fernando Haddad (PT) (465.025 votos) 34,78%?


PILULAS DIGITAIS:

‘E o vento levou…’ em Campo Grande, mas sem direito a Clark Gable e Vivien Leigh.

Renan Calheiros; a caminho da canonização?


Reclamação: Ninguém me apresenta esse tal ‘mar de lama’! Eu queria entrar nele só por meia horinha.

Eu tenho uma teoria de que a verdade nunca é dita durante o horário comercial. ( Hunter S.Thompson)

A nossa sociedade é essencialmente baseada na glorificação do ego; para ser feliz um sujeito precisa estar acima da massa. (Bernardo Bertolucci)


Sem invenção a vida fica sem graça. Por mais que você escolha não viver, a vida te agarra em alguma esquina.


O dinheiro é ótimo. Tira a pessoa da pobreza. Mas não tira a pobreza da pessoa.


Multar quem não usa máscara é fácil. Difícil é prender quem comprou respiradouros super faturados.

O mundo estaria a salvo se os homens de bem tivessem a mesma ousadia dos canalhas. ( Nelson Rodrigues)


Todos estamos carentes. Tudo é o mínimo para compensar as privações da pandemia. ( Fabricio Carpinejar)

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Manoel Afonso
Colunistas
Ampla Visão
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS