O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   17 de Dezembro de 2018

Equipe de Guedes prepara proposta para destravar gastos do Orçamento

Plano é aprovar no Congresso, já nos primeiros meses do governo Bolsonaro, a desvinculação de boa parte das despesas públicas

29/11/2018 - 08h36

Estadão

A equipe do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, trabalha em uma proposta para desindexar boa parte das despesas públicas e dar mais agilidade dentro do Orçamento para realocar gastos conforme a necessidade do governo, segundo apurou o Estadão/Broadcast. O tema é considerado prioritário e deve ser a principal medida fiscal do novo governo, além da reforma da Previdência.


As despesas obrigatórias, como aposentadoria e folha de pagamento, consomem hoje 91% do Orçamento, porcentual que deve chegar a 98% em 2021 se nada for feito. O destino dessas despesas é estabelecido por lei. Na proposta, não está descartado nem mesmo mexer no mínimo de gastos definido para saúde e educação.


Plano é aprovar no Congresso, já nos primeiros meses do governo Bolsonaro (Foto: Divulgação)

A ideia que está em estudo é apresentar uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) para ampliar o alcance do mecanismo que permite a desvinculação de receitas da União e também mexer na estrutura orçamentária. 


O Brasil tem hoje o Orçamento mais detalhado do mundo, mas isso acaba engessando as despesas e impedindo um remanejamento de acordo com as necessidades mais urgentes.


Já confirmado como integrante do futuro governo, o atual secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, tem alertado a equipe de transição sobre o crescente fenômeno de represamento de recursos nos ministérios. Só neste ano, mais de R$ 16 bilhões podem ficar parados nas pastas porque os projetos não andaram. Mesmo assim, o governo não pode remanejar o dinheiro para outras áreas por causa do engessamento nas despesas. “Se você desindexar, desvincular, ‘destudo’, você inverte toda a relação”, disse um futuro integrante da equipe econômica do novo governo.


Segundo uma fonte da transição, a ideia é deixar o Orçamento com “caixinhas” mais amplas do que no desenho atual para a definição das despesas. Com maior flexibilidade, a equipe vai argumentar que o próprio Congresso terá maior liberdade para definir as prioridades dos gastos. Isso poderia ajudar na hora de angariar apoio à medida.


Tema sensível


A proposta é polêmica e ainda dependerá de uma decisão política do presidente eleito, Jair Bolsonaro, para ser apresentada. Mas a expectativa é que a decisão seja tomada já nos primeiros meses, uma vez que o problema fiscal é o mais grave no diagnóstico traçado pela equipe econômica de transição.


O tema é sensível, pois a equipe sabe que mexer na estrutura orçamentária vai desagradar a interesses políticos. Informalmente, a proposta é chamada de “bomba de nêutrons” orçamentária. Para aprovar uma mudança na Constituição, são necessários três quintos de votos na Câmara (308) e no Senado (49).


O próprio Ministério do Planejamento tem uma proposta para ampliar um mecanismo que já existe e que permite à União aplicar livremente 30% das receitas com impostos – a DRU (Desvinculação das Receitas da União). O instrumento, no entanto, tem tido baixa eficácia. A fonte da transição afirma que a ideia em estudo pela equipe será ainda mais ampla do que a defendida pelo Planejamento.


Desengessar o Orçamento será uma das frentes de ataque do time de Guedes para tentar solucionar o problema fiscal do País. As demais serão a reforma da Previdência, uma vez que os benefícios previdenciários são a maior despesa do Orçamento, a redução da dívida pública por meio da venda de ativos, além da contenção das despesas com pessoal com o corte de cargos e funções. 

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Economia
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
30.77%
Não
63.46%
Não sei
5.77%
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS