O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   20 de Setembro de 2019
Publicidade

Governo de MS atrai R$ 600 milhões em investimentos e foca em mercado asiático

A projeção é que até 2025 o mercado asiático cresça 4% ao ano. 

29/08/2019 - 07h06

Campo Grande

Reinaldo Azambuja em salão internacional (Foto: reprodução/Gov)

O mercado asiático é hoje um dos mais promissores. Especialistas em comércio exterior apostam que a China deve se tornar em breve a próxima potencial da economia mundial.


O gigante asiático não é o único. A Índia cresce anualmente 7% ao ano no seu Produto Interno Bruto, além dos emergentes como Vietnã e Indonésia que juntos têm expectativa de crescimento de 4% ao ano até 2025.


De olho neste mercado, Mato Grosso do Sul se estabeleceu no Siavs (Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura), em São Pulo, e conseguiu atrair mais de R$ 600 milhões em investimentos na área de produção rural e industrial das cadeia produtiva de suínos. A regra é trazer mais investidores para o Estado para elevar o volume de produção e agregar valor.


“Os investimentos estão fundamentados na política de aumento da produção industrial, mas principalmente rural na área da suinocultura. Esses investimentos já devem acontecer neste segundo semestre”, disse o governador Reinaldo Azambuja.

Calcados principalmente no setor porcino, as aplicações acontecem numa nova indústria de esmagamento de soja e, futuramente em plantas frigoríficas. 


“Precisamos que a soja seja processada no Estado e que o farelo esteja disponível. Este anúncio deve acontecer em  breve, como também uma industria de farelo”, contou o Secretario de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck.


No mesmo evento, a visão de que a exportação de commodities e outas linhas de produção agropecuária começa sair do eixo do Atlântico, migrando para o Pacífico foi destacada pelo secretário especial do Ministério da Economia, Marcos Troyjo. E mais uma vez Mato Grosso do Sul vislumbrou vantagem estratégica pelo know how como Estado produtor, e principalmente pela posição que ocupa hoje dentro do projeto do Corredor Bioceânico que será a rota mais competitiva para o escoamento dos produtos do Estado para este mercado promissor da Ásia. 


“A Rota Bioceânica posiciona em termos competitivos para atender esse mercado, o jogo das commodities já está no Pacífico e não mais no Atlântico, e Mato Grosso do Sul constrói uma estrutura para chegar de uma maneira mais barata e competitiva”, ponderou Verruck. 

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Economia
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
30.77%
Não
63.46%
Não sei
5.77%
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS