O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   14 de Agosto de 2020
Publicidade

Guedes volta ao trabalho nesta segunda com dois temas espinhosos

O primeiro, se corrige a medida provisória que fixou o salário mínimo em R$ 1.039. 

13/01/2020 - 14h14

G1

O ministro Paulo Guedes (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, está de volta a Brasília nesta segunda-feira (13) com dois assuntos espinhosos pela frente para decidir. O primeiro, se corrige a medida provisória que fixou o salário mínimo em R$ 1.039. O segundo, se apoia a proposta de criar um fundo de estabilização para o preço dos combustíveis.


No primeiro caso, o valor fixado foi decidido com base numa previsão de 4,1% do INPC em 2019. Só que o índice ficou em 4,48%, o que deveria levar o mínimo para, pelo menos, R$ 1.043. É uma questão política e econômica, porque a cada R$ 1 a mais no salário mínimo as despesas da União crescem R$ 355 milhões.


No segundo caso, a equipe econômica é contra a criação de novos fundos que sejam vinculados a objetivos e gastos específicos. Propôs, inclusive, uma emenda constitucional extinguindo mais de 280 fundos, que está em tramitação no Congresso Nacional.


Em relação ao salário mínimo, assessores presidenciais esperam que a equipe de Paulo Guedes decida pela correção da MP já enviada ao Congresso, no final do ano passado, que fixa o mínimo em R$ 1.039. Se o governo não fizer o ajuste, o Legislativo, com certeza, fará a mudança na votação da medida – seria um desgaste a mais para o Palácio do Planalto.


Já em relação ao fundo de estabilização dos preços dos combustíveis, a proposta é do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para amortecer altas inesperadas do petróleo, evitando impactos negativos no mercado brasileiro. O fundo seria formado com recursos arrecadados de royalties e participação especial.


A equipe técnica do Ministério da Economia é contra a criação de novos fundos. O detalhe é que esta é uma encomenda do presidente da República, Jair Bolsonaro. Se for contra, o ministro Paulo Guedes terá de convencer o presidente, ou propor outro mecanismo em vez do fundo. A conferir.


Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Economia
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS