O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   07 de Julho de 2020
Publicidade

Barroso frustra prefeitos, mas prorrogação de mandato depende de PEC

Ministro disse durante sua posse no TSE que prorrogação de mandatos, mesmo que por prazo exíguo, deve ser evitada até o limite.

27/05/2020 - 14h29

Campo Grande

O presidente da Assomasul, Pedro Caravina (Foto: Edson Ribeiro)

Willams Araújo


O discurso de posse do ministro Luis Roberto Barroso na presidência do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) acabou frustrando as expectativas de prefeitos de todo o país, quando ele descartou a possibilidade de prorrogar os atuais mandatos e unificar todos os pleitos em 2022, como deseja o movimento municipalista liderado pela CNM (Confederação Nacional de Municípios) com apoio das associações estaduais de municípios.  


Apesar do posicionamento do ministro, a esperança dos gestores públicos é aprovação, pelo Congresso Nacional, da PEC 19/2020 (Proposta de Emenda Constitucional), apresentada pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT) e por mais 28 senadores, que pede a coincidência das eleições em 2022. 


Ontem mesmo, o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Pedro Caravina, que é membro do Conselho Político da CNM, divulgou carta aberta ao Congresso Nacional e à Nação em favor da não realização das eleições municipais deste ano no país.


Assinado por Caravina, o documento  é avalizado pela CNM (Confederação Nacional de Municípios), pelo MMM (Movimento Mulheres Municipalistas), por associações microrregionais de municípios, prefeitos e prefeitas de Mato Grosso do Sul, além de  agentes políticos locais, enfatizando as dificuldades que estão enfrentando em decorrência da pandemia do Covid-19 (novo coronavírus).


Ao tomar posse, Barroso descartou prorrogar mandatos e adiar as eleições municipais para o próximo ano. Em função da pandemia de coronavírus, a Corte e o Congresso têm discutido a possibilidade de mudar a data das votações, previstas para outubro.


Barroso ressaltou o alinhamento com os presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em torno da questão e afirmou que “estamos todos alinhados em torno de premissas básicas”. 


“As eleições municipais somente devem ser adiadas se não for possível realizá-las sem risco para a saúde pública. Em caso de adiamento, ela deverá ser pelo prazo mínimo e inevitável”, disse.


O ministro descartou a hipótese de prorrogar mandatos, e empurrar as eleições municipais para 2022, como pedem alguns parlamentares, quando a população deverá voltar às urnas para escolher o presidente da República, governadores, senadores e deputados estaduais e federais. 


“Prorrogação de mandatos, mesmo que por prazo exíguo, deve ser evitada até o limite. E o cancelamento das eleições municipais para fazê-las coincidir com as eleições nacionais em 2022 não é uma hipótese sequer cogitada”, disse.



Participaram da cerimônia de posse, embora de forma remota, o presidente Jair Bolsonaro, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, Os presidentes do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ), o procurador-geral da República, Augusto Aras, e outras autoridades. 


A posse de Barroso encerra o biênio da ministra Rosa Weber à frente do TSE.


CARTA 


Na carta, Caravina aborda uma série de fatores que de certa forma justifica a reivindicação da CNM e entidades municipalistas. 


Segundo o TSE, nas últimas eleições participaram 2.302.248 pessoas atuando como mesários, e o total de votantes foi de 146.658.156 cidadãos. 


“Esse contingente estaria correndo risco e boa parcela, certamente, por medo, se absteria de votar. A legislação eleitoral impõe uma série de restrições que impedem o pleno atendimento das urgências do momento em face da pandemia”, continua o dirigente municipalista.


Para Caravina, o risco para a democracia é gravíssimo, já que a participação popular será tolhida pelo medo da infecção, pelo desconhecimento das plataformas políticas e até mesmo dos candidatos.


Ainda conforme o texto, o próprio TSE divulgou estudo que aponta que nada mais nada menos que 55 países adiaram as eleições.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Política
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS