O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   14 de Agosto de 2020
Publicidade

Em visita a Bagé, Bolsonaro elogia ex-presidente Médici

Ele chegou no final da manhã a Bagé e seu primeiro evento foi a visita a uma escola cívico-militar, a primeira do Rio Grande do Sul.

31/07/2020 - 16h13

De Brasília 

O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Eduardo Machado/Reuters)

Em visita a Bagé (RS), o presidente Jair Bolsonaro aproveitou para elogiar Emílio Médici, terceiro presidente da ditadura militar, e seu combate aos militantes contrários ao governo, e repetiu que o Brasil não quer se transformar na Venezuela, como estaria fazendo "outro país", numa provável alusão à Argentina.


Bolsonaro chegou no final da manhã a Bagé e seu primeiro evento foi a visita a uma escola cívico-militar, a primeira do Rio Grande do Sul. Depois de descerrar uma placa e ouvir um poema gaúcho, fez uma pequena fala.


"E é daqui o Médici também. O homem que pegou o Brasil em um dos momentos mais difíceis, quando alguns lutavam para tomar o poder a qualquer preço. Não conseguiram, vencemos aquela etapa", disse, elogiando o general que comandou um dos períodos mais repressores da ditadura militar no Brasil e que nasceu em Bagé.


Bolsonaro disse ainda não acreditar que o país possa voltar a momentos como os da ditadura militar porque onde "eles tiveram sucesso o povo perdeu", referindo-se aos militantes de esquerda.


"Não podemos esquecer o que aconteceu porque não queremos nos transformar no que a nossa Venezuela é e que parece que outro país está indo para o mesmo caminho", disse, sem citar a Argentina, a quem diz frequentemente que está no caminho de se tornar uma Venezuela desde a eleição à Presidência do país de Alberto Fernández, que formou com a ex-presidente Cristina Kirchner uma chapa de esquerda que saiu vitoriosa no ano passado.


A chegada de Bolsonaro em Bagé provocou aglomerações em frete ao aeroporto da cidade e na escola onde foi recebido. Ao sair do aeroporto, o presidente mostrou uma caixa de cloroquina à população que o esperava. O presidente tem creditado sua cura da Covid-19 ao medicamento, que não tem eficácia comprovada.


Bolsonaro ficou três semanas em isolamento por causa da doença. Na noite de quinta, admitiu, em live, que está com uma infecção no pulmão e tomando antibióticos.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Política
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS