O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   27 de Janeiro de 2021
Publicidade

Governo requisita mais 30 milhões de seringas e agulhas, dizem fabricantes

Ao todo, empresas terão que fornecer 60 milhões de unidades de insumos para vacinação contra a Covid.

13/01/2021 - 17h03

G1

Seringas e agulhas (Foto: Justin Tallis/ AFP)

O superintendente da Abimo (Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios), Paulo Henrique Fraccaro, afirmou nesta quarta-feira (13) à TV Globo que o governo requisitou às empresas do setor mais 30 milhões de seringas e agulhas a serem destinadas à vacinação contra a Covid-19.


Somadas às outras 30 milhões requisitadas pelo Ministério da Saúde no inicio do mês, as indústrias serão obrigadas então a fornecer 60 milhões de seringas e agulhas ao governo.


A requisição administrativa é um instrumento previsto na Constituição por meio do qual o poder público pode usar temporariamente bens privados em caso de "iminente perigo público". Pela regra, o governo deve assegurar indenização, "se houver dano".


De acordo com o superintendente da Abimo, o governo fez a requisição administrativa do material de três empresas — para cada uma, pediu 10 milhões de seringas, mas de 1 ml, para entrega até 13 de fevereiro. Na primeira requisição, o pedido foi de seringas de 3 ml, para entrega até o próximo dia 30.


Uma das empresas, informou Paulo Henrique Fraccaro, já pediu ao governo para reconsiderar o pedido porque a produção de seringas de 1 ml seria mais difícil em razão da falta de moldes suficientes para a produção do volume solicitado.


"As empresas vão ter dificuldade de atender como o governo está pedindo", afirmou. "Nós estamos entrando em contato com o governo para mudar essa nova especificação e para que, assim, possamos atender no prazo”, disse.


Nesta quarta-feira, o governo do Espírito Santo ingressou no STF (Supremo Tribunal Federal), a fim de impedir que o governo federal requisite insumos comprados pelo estado para cumprir o plano local de vacinação contra a Covid-19. Na última sexta (8), o ministro Ricardo Lewandowski já havia decidido que a União não pode requisitar agulhas e seringas já compradas pelo governo de São Paulo.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Geral
Colunistas
Ampla Visão
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS