O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   24 de Fevereiro de 2024
Publicidade

Vitais na política: sorte, coragem e competência

03/03/2023 - 09h32

Manoel Afonso 

MERA SORTE?  Há quem defenda a tese da necessidade de estarmos no lugar certo e na hora certa. Além de tantas situações que a vida nos proporciona e exige, também na política seria preciso a conjunção deste binômio. Mas afinal, o sucesso na vida pública seria produto de mera sorte ou de habilidade em saber aproveitar a oportunidade? Eis a questão.


EXEMPLO: Ativo na campanha eleitoral presidencial de 1989 no Oeste Paulista, o veterinário/pecuarista Antônio Cabreira foi fazer uma visita de cortesia ao presidente Collor e saiu do encontro escolhido para o cargo de Ministro da Agricultura. Em suas entrevistas Cabreira lembra as circunstâncias do fato e se diz surpreso como tudo ocorreu.


CABREIRA tinha a prioridade pessoal nos compromissos do conglomerado familiar de  fazendas. Entrou na campanha de Collor sem pretensões. Sua formação técnica e a experiência no agronegócio pesaram; mas ele estava apenas trocando ideias com Collor exatamente quando esse procurava um nome para o cargo. O fator sorte contou ou não?


SORTE & CIA: Incontáveis os casos de leigos vitoriosos que entraram na política por circunstâncias ou fatalidades. Cidadãos discretos se transformaram em candidatos de última hora apenas para cobrir lacuna do partido, mas pela habilidade acabaram líderes e protagonistas vencedores no jogo eleitoral. Aposto que você conhece algum deles.


‘CHICO BENTO’: Em 2018 o comerciante de eletrodomésticos Romeu Zema (Novo) se elegeu governador de Minas Gerais derrotando Fernando Pimentel (PT) e Antonio Anastasia (PSDB), líderes tradicionais da velha política mineira. Em 2022 sua competência superou a sorte e coragem ao derrotar com 73% dos votos o candidato do PT e de Lula. O ‘caipira’ Zema é um nome para 2026.  


CONCORDA? O ex-presidente Lincoln dizia: “Me preparei e algum dia terei minha oportunidade. Desta afirmação presume-se que quando se fala em projetos não se pode contar exclusivamente com a sorte. E arremato com o polêmico conceito de que a sorte seria apenas o encontro da oportunidade com a sua própria competência.


AÇÕES & DEPUTADOS:  Gerson Claro (PP: demonstra intimidade com o regimento e legislação atinentes ao poder e as regras das sessões. Elogiado pelos pares. Paulo Corrêa (PSDB): Zeloso 1º Secretário da Assembleia cria ambiente facilitador as ações da mesa diretora. Pontual nas intervenções. Zé Teixeira (PSDB): Segue para a CCJR seu projeto de lei que visa adequar às normas locais a decisão do STF sobre o início da contagem do tempo da licença maternidade. Marcio Fernandes (MDB): autor de proposta para criar a Frente Parlamentar do Agronegócio; manifestou sua preocupação com a volta das invasões e da violência na zona rural do MS. João Henrique (PL): seu projeto penaliza invasores de áreas públicas e privadas; na tribuna teve apoio de Gerson Claro, Rafael Tavares e Pedrossian Neto. Rafael Tavares (PRTB): presidindo nesta  sexta feira audiência pública sobre violência contra crianças e adolescentes; critica o aumento do preço dos combustíveis e invasões de terras. Lucas de Lima (PDT): autor de indicações referentes ao transito, energia e transporte em vários bairros da capital; tramita na Casa seu projeto sobre obrigatoriedade de denúncia pelas clínicas veterinárias dos maus tratos de animais. Junior Mochi (MDB):  pede à reitoria da UFMS estudos de viabilidade da implantação do Curso de Medicina em Coxim; tem proposta para mudar os critérios de aplicação nos municípios dos recursos do Fundersul.  Londres Machado (PP): sempre consultado e ouvido em questões dúbias e delicadas. Motivado no exercício da liderança do  Governo.  


‘SACO SEM FUNDO’:  O Governo dá dinheiro aos pobres sem combater a pobreza. É ruim, cria um círculo vicioso.  Em 2007 foram R$21 bilhões à 11 milhões de famílias. Em 2015 (2º mandato de Dilma) deu R$38 bilhões para 15 milhões de famílias; em 2023 R$174 bilhões à 22 milhões de famílias. O custo final de todos benefícios é de 16% da receita líquida do país. 


BATALHAS: Marquinhos Trad saiu da clausura para mostrar que politicamente não morreu. Falou de planos etecetera e tal. Mas não seria oportuno antes aferir os estragos eleitorais pelos episódios mostrados na mídia? Tudo bem, cada caso é um caso, a opinião pública é cruel ou condescendente, mas sempre é bom ouvi-la neste caso específico.  


LUZ PRÓPRIA: Estreou com o pé direito na tribuna da Câmara o deputado federal Rodolfo Nogueira (PL) abordando o tema que conhece bem: o agronegócio e os efeitos das invasões de terras. Seguro, rebateu a fala de seu colega Guilherme Boulos (Psol) de que houve violência de jagunços em Mundo Novo e Japorã na expulsão de ‘sem terras’. Um gol de placa.


NA ASSEMBLEIA: Mara Caseiro (PSDB): pede reforma do ginásio de esportes de Figueirão; solicita mais agentes penitenciários para o presidio de Cassilândia; quer ponte de concreto entre Bandeirantes e Rio Negro. Pedro Kemp (PT): na tribuna falou da crise do Hospital Alfredo Abrão prejudicando pacientes com câncer. Questão grave. Lídio Lopes (Patri): recepcionando prefeitos e vereadores na busca de soluções para seus municípios. Participativo nas sessões.  Professor Rinaldo (Podemos): Falou na tribuna sobre a onda da violência contra a mulheres e crianças e teve o apoio de colegas; tem projeto instituindo a Política Estadual de Proteção aos Portadores de Fibromialgia. Jamilson Name (PSDB): Representante de Anastácio pede ao Governo a construção de Posto Policial Militar no Residencial Cristo Rei naquela cidade; confia no sucesso do seu projeto em curso sobre a inclusão digital. João Matogrosso (PSDB): Embora estreante integra a Comissão de Constituição Justiça e Redação (a mais importante da Casa) participando da análise das matérias apresentadas. Renato Câmara (MDB): solicita ao Governo a construção de nova sede do Corpo de Bombeiros em Dourados.


FUTEBOL & POLÍTICA: Conta o colega Paulinho, assessor do Amarildo, que na inauguração do Estádio Jacques da Luz, 2 times de funcionários públicos e políticos se enfrentaram. Num deles o deputado Zeca do PT e o conselheiro Jerson Domingos (goleiro). No pênalti arranjado, onde o juiz mandou repetir alegando de que o goleiro tinha mexido, Zeca cobrou duas vezes mas esbarrou no goleiro Pereira (sargento). Zeca não repetiu no futebol o desempenho na política mas agradou a torcida.


NA MÍDIA:  “Esse governo está fazendo a mesma coisa que fez no passado, que é um loteamento completo de cargos públicos, com aumento da estrutura burocrática. ” Opinião do senador Sergio Moro ao afirmar que o governo Lula está criando “condições” para que casos de corrupção se repitam no terceiro mandato petista. ”


DEPUTADOS & AÇÕES: Pedrossian Neto (PSD): abordou a defasagem dos valores dos prestadores de serviço na saúde e promete projeto neste sentido. Neno Razuk (PL): Autor de moção de congratulações ao tenente cel Rigoberto Rocha da Silva, comandante do Batalhão de Choque da capital pela atuação no carnaval. Pede implementação de campanhas com a aproximação da Semana da Mulher. Amarildo Cruz (PT): Falou da denúncia envolvendo o Hospital Alfredo Abrão e expôs os riscos de eventual terceirização dos seus serviços.  Antônio Vaz (REP): atento as questões da saúde pública está sugerindo a criação da Campanha Estadual da Saúde Bucal das Pessoas Idosas. Lia Nogueira (PSDB): Sensível aos dramas sociais solicita ao Governo do Estado a revisão cadastral do Auxílio Brasil (Bolsa Família) e demais programas assistenciais para evitar injustiças e abusos hoje registrados. 


LOUCURA!  De 43 mulheres assassinadas no MS em 2013, esse número saltou para 78  vítimas fatais em 2022.  Apenas em janeiro e fevereiro deste ano foram 12. Apesar do aprimoramento dos procedimentos policiais e judiciais, das campanhas e alertas das autoridades, o fato é que esse é um problema difícil de se evitar por vários fatores. Aliás, agradou a todos na Assembleia Legislativa a fala do Secretário Antônio C. Videira da Segurança Pública sobre a morte da menina Sofhia e a violência reinante nos lares.


XICO GRAZIANO: “Que Justiça, afinal, impera no país? A do Estado Democrático de Direito, ou aquela que se faz com as próprias mãos, brandindo foices? Se o governo tolerar a invasão de terras produtivas promovida pelos Zé Rainhas da vida, o país dará marca-à-ré na história. Não se trata de colocar o boné do MST na cabeça. Lula será conivente com a barbárie”.


RENATO CÂMARA: Entusiasta pela exploração racional dos 100 parques florestais em MS. Um deles é o Parque das Várzeas do Rio Ivinhema (73 mil hectares) criado em 1998 na compensação com a CEESP em Jatei, Naviraí e Taquarussu. Hoje só Bonito, Pantanal e o Parque da Bodoquena são referências turísticas. Geram renda, empregos como qualquer empreendimento comercial e industrial.  


PROJETOS: Renato (MDB) reconhece a falta divulgação na mídia do potencial da região para o turismo de contemplação – como ocorre na Europa e USA. Hoje a estrutura da Polícia Ambiental Militar é pequena pelas necessidades, mas o Governo está investindo. Novos veículos e dois aviões foram incorporados ao Parque, criando condições para futuras parcerias comerciais de exploração e preservando o ambiente.


DOIS MÉDICOS:  Dr. Loester Nunes, vereador antigo, saiu do PDT e embarcou no MDB. Após uma tentativa frustrada de voltar à Assembleia Legislativa, não esconde que é hora de ‘recolher o flap’.  Jamal Salem é mais novo na política e parece – pelas suas publicações nas redes sociais – que está muito animado mesmo com o MDB em baixa. Fico matutando: o que estaria o ‘brimo’ pretendendo: reeleição ou ‘algo mais’?

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Manoel Afonso
Colunistas
Ampla Visão
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS