O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   24 de Abril de 2024
Publicidade

Congresso volta a debater PEC que amplia isenção tributária dos templos religiosos

A sessão de retorno dos debates na comissão está marcada para a próxima terça-feira (27), às 11h

25/02/2024 - 09h13

Brasília 

Com CNN

Crivella é autor da proposta que amplia a imunidade para a aquisição de bens e serviços “necessários à formação” do patrimônio (Foto: Will Shutter/Câmara dos Deputados)

A Comissão Especial da Imunidade Tributária da Câmara dos Deputados volta a analisar na próxima semana a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que amplia a imunidade tributária de igrejas, partidos, sindicatos e instituições de educação e de assistência fiscal sem fins lucrativos.


A sessão de retorno dos debates na comissão está marcada para a próxima terça-feira (27), às 11h.


De autoria do deputado federal Marcelo Crivella (Republicanos-RJ) — bispo licenciado da Igreja Universal e ex-prefeito do Rio de Janeiro –, a PEC amplia a imunidade para a aquisição de bens e serviços “necessários à formação” do patrimônio, geração e prestação de serviço.


A PEC já foi aprovada na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara em setembro do ano passado. Na CCJ, os deputados trataram apenas da admissibilidade da proposta, ou seja, se o texto atende os requisitos legais e regimentais, sem analisar o mérito.


No mesmo mês, foi criada a Comissão Especial para analisar o tema. No colegiado, já houve 10 sessões de debates em que os membros poderiam sugerir alterações no texto-base, o que não aconteceu.


A versão final do relatório ainda não foi apresentada por Máximo na comissão. Quando o texto for analisado e aprovado, seguirá para apreciação no plenário da Câmara. Depois, será a vez do Senado analisar a matéria.


Atualmente, a Constituição estabelece que a isenção vale somente para o patrimônio, a renda e os serviços “relacionados com as finalidades essenciais” de igrejas ou partidos.


Na prática, a ampliação permite que o benefício seja estendido para tributações indiretas.

De acordo com a súmula 724 do STF (Supremo Tribunal Federal), “ainda quando alugado a terceiros, permanece imune ao IPTU [Imposto Predial e Territorial Urbano] o imóvel pertencente a qualquer das entidades, desde que o valor dos aluguéis seja aplicado nas atividades essenciais das organizações”.


Mais isenções


Como a CNN já publicou, deputados ligados às igrejas evangélicas prometem acelerar a tramitação de projetos de lei que tragam “segurança jurídica” aos benefícios fiscais de templos religiosos.


Os parlamentares defendem a necessidade de criar ferramentas que mantenham direitos já conquistados e garantam o funcionamento das igrejas e seus projetos sociais.


O avanço ou não das pautas vai depender do diálogo com o governo federal e das articulações com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).


Além da PEC criada por Crivella, outros projetos que tratam de isenção de impostos e taxas para templos religiosos tramitam na Câmara em etapas iniciais.


Um deles, proposto em 2019, dispõe sobre a isenção total do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na compra de veículos utilitários feita por instituições filantrópicas e religiosas.


Autor do projeto, o então deputado Gildene Myr justifica que as igrejas “vivem a eterna luta para mobilizar recursos e energia de seus fiéis” e atuam “onde o Estado ainda está ausente”. Por isso, “as entidades precisam intensificar e ampliar sua atuação” e necessitam de apoio e incentivos externos.


Outro projeto trata da isenção das organizações religiosas do pagamento de laudêmio, de foro e de taxas de ocupação relacionados a terrenos de marinha. O laudêmio é uma taxa que deve ser paga ao proprietário do terreno quando se vende ou transfere um imóvel que está localizado em áreas de marinha. 


Essas áreas são aquelas que pertencem à União e estão situadas na faixa de 33 metros a partir da linha do mar.


A justificativa do projeto aponta que a imunidade tributária prevista na Constituição é essencial para a liberdade de culto e que o laudêmio, ao contrário de demais taxas e contribuições de melhoria, “não propicia às igrejas contrapartida que justifique a cobrança do encargo”.


De autoria do deputado Alceu Moreira (MDB-RS), o projeto foi protocolado em 2021 e tramita na CASP (Comissão de Administração e Serviço Público). A deputada Fernanda Pessoa (União-CE) apresentou relatório no colegiado em outubro de 2023 sem nenhuma emenda. Ainda não há previsão de quando o texto será colocado em votação.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Política
Colunistas
Ampla Visão
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online