O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   18 de Maio de 2024
Publicidade

Presos por negociar 21 armas do Exército recebem Bolsa Família e ostentavam

Jesser Marques Fidelix, o Jessé, e Márcio André Geber Boaventura Júnior estão inscritos no programa

12/04/2024 - 17h25

Rio de Janeiro 

Com g1

Jesser Marques Fidelix e Márcio André Geber Boaventura Júnior (Foto: Reprodução)

Presos na noite de quinta-feira (11) em São Paulo por suspeita de negociar as armas furtadas de um quartel do Exército, Jesser Marques Fidelix, o Jessé, e Márcio André Geber Boaventura Júnior estão inscritos no programa Bolsa Família, do governo federal.


Mas a vida que ostentavam nas redes era outra, com carros potentes e apartamentos de luxo. Além disso, de acordo com as investigações da DRE (Delegacia de Repressão a Entorpecentes), da Polícia Civil do RJ, a dupla tinha uma movimentação bancária de milhões.


Jessé e Márcio André foram capturados em um condomínio de luxo em Santana de Parnaíba, na Grande São Paulo, pela DRE. A prisão temporária é por 30 dias.


Além de Jesser e Márcio, a Polícia Civil descobriu que Ticiane Souza Costa, companheira de Jessé e alvo de busca nesta manhã, também está inscrita em programa do governo federal.


Segundo as investigações, Jessé e Márcio André ofereceram o armamento para o CV (Comando Vermelho), a maior facção criminosa do tráfico do RJ, e uma denúncia anônima levou os agentes até os dois.


“A partir de um vídeo que foi circulado na internet, nós começamos a investigar e conseguimos identificar, através das declarações de um colaborador, que Jessé e Márcio estariam negociando para empregar essas armas de fogo na guerra da Zona Oeste, entre o Comando Vermelho e a milícia, ali na região da Gardênia e Cidade de Deus”, detalhou o delegado Pedro Cassundé.


Nos endereços ligados à dupla, policiais civis encontraram 5 carros que, segundo os agentes, estão assim avaliados:


Volvo: R$ 200 mil

Saveiro: R$ 44 mil

Audi: R$ 91 mil

Citröen: R$ 45 mil

Kia: R$ 120 mil


Até as 10h desta sexta-feira (12), a Polícia Civil havia apreendido 12 celulares com o grupo. Uma máquina de contar dinheiro também foi apreendida pelos policiais.


Relatórios do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) e análises do Laboratório de Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil mostram que Ticiane, por exemplo, movimentou R$ 9 milhões em suas contas bancárias entre 24 de março de 2021 e 30 de outubro de 2023.


Já a irmã dela, Isabela, também alvo da operação, declarou ter renda de R$ 4 mil como analista de sistemas, mas a sua movimentação bancária chegou a pouco mais de R$ 3,9 milhões entre 2 de julho de 2021 e 31 de maio de 2023.


Partes desses valores foram, segundo a polícia, repassados fracionados e em espécie para Márcio André. Houve depósitos, em sua conta, de valores acima de R$ 50 mil, de acordo com a DRE.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Geral
Colunistas
Ampla Visão
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online