O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   17 de Janeiro de 2022
Publicidade
Últimas Notícias
Willams Araújo
Base

Bolsonaro (PL) começou a estruturar a equipe que coordenará a sua campanha à reeleição ao Palácio do Planalto. Segundo relatos de integrantes do governo e do PL, seis nomes já são citados para o comitê de campanha do candidato, que deve ter bases eleitorais tanto em Brasília como no Rio de Janeiro. O grupo é formado até o momento pelo senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), e pelos ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira, da Secretaria-Geral, Luiz Eduardo Ramos, e da Justiça, Anderson Torres. Além deles, a equipe tem contado com as colaborações do presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, e do senador Jorginho Mello (PL-SC).

Tática de guerra

O presidente Jair Bolsonaro já iniciou as discussões com ministros sobre estratégias de campanhas para a corrida eleitoral deste ano.  Ministros do centrão estão alinhando o discurso da campanha direto com o presidente e defendem que ele seja agressivo. Os conselheiros mais próximos sugerem que Bolsonaro condicione a reeleição à continuidade do Auxílio Brasil, que hoje paga R$ 400, contra os cerca de R$ 200 do extinto Bolsa Família. Na internet, o presidente divulgou um vídeo do Ministério do Desenvolvimento Regional sobre as obras de transposição do São Francisco, tema importante no Nordeste, onde busca apoio.

Desconforto
Desconforto

Assim como o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), Simone Tebet (MDB-MS) tem chances remotas de chegar ao segundo turno das eleições presidenciais que ocorrerão em 2 de outubro. Além do encolhimento da legenda, a senadora também não dispõe de densidade eleitoral suficiente em nível nacional e as pesquisas de intenções de voto até agora têm indicado certo desconforto para a candidata do partido de Michel Temer. Ainda assim, é peça importante no xadrez de João Doria. Sempre elogiada pelo governador, Simone é apontada por aliados do tucano como um nome a compor a chapa e, quem sabe, ajudar a afastar o MDB do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). No Nordeste, especialmente, há uma ala disposta a pedir votos para o petista no pleito deste ano.

Freezer

O PT desistiu de anunciar a candidatura do ex-presidente Lula no mês que vem. A pandemia e as dificuldades nas negociações para o vice na chapa do petista esfriaram as comemorações de 42 anos do Partido dos Trabalhadores. A ideia era antecipar para 10 de fevereiro o lançamento oficial da candidatura com uma grande festa em Minas Gerais. Mas agora, o ex-presidente deve participar só virtualmente do evento. A comemoração foi mantida em Belo Horizonte como um aceno ao PSD, partido do prefeito Alexandre Kalil. O partido tem Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, como candidato, mas é cortejado pelos petistas.

Apareceu a Margarida

E o Ciro Gomes (PDT-CE) hein? Depois da operação da Polícia Federal que culminou no cumprimento de mandado de busca e apreensão contra ele e seu irmão, o senador Cid Gomes (PDT-CE), o ex-ministro resolveu sumir um pouco. Agora, voltou às redes sociais. Afirmou, em vídeo publicado na internet, que a sensação da classe média brasileira é que ela paga dobrado para viver e que o estado é um inimigo. A PF investiga supostas fraudes e pagamentos de propina a políticos na construção do estádio Castelão, em Fortaleza, uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. Ciro não ocupava cargo público na época. A obra custou naquele período cerca de R$ 500 milhões.

Curta no Facebook
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS