O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   17 de Janeiro de 2019
Publicidade
Publicidade
Últimas Notícias
Publicidade
Willams Araújo
Despedida 2

O senador Waldemir Moka (MDB-MS), que não garantiu sua reeleição, fez outra despedida. Desta vez, das redes sociais. Encerrou sua conta no facebook com o seguinte recado: “Minhas amigas, meus amigos! Nos próximos dias, minhas redes sociais serão desativadas. Quero agradecer a cada um pelos momentos em que estivemos juntos, seja física, nas andanças por meu Estado e em Brasília, seja virtualmente, por meio da internet”. Vale lembrar que o emedebista já havia feito um discurso emocionado no Plenário da Casa.

Dever cumprido
Dever cumprido

Ainda em sua nota, Moka complementa: “Despeço-me com a sensação de dever cumprido, mas com a certeza de que vamos voltar a nos encontrar pelos percursos da vida.Não vou me esquecer do apoio e do companheirismo nesse tempo todo de vida pública. Levo comigo o melhor de cada um e tenho certeza de que fiz o que pude para honrar todos os mandatos a mim conferidos pela população do meu Mato Grosso do Sul.Não digo adeus, mas apenas até logo!”

Tiro ao alvo

A decisão do presidente da República, Jair Bolsonaro, de assinar um decreto para facilitar a compra e a posse de armas de fogo no País  divide opiniões na Câmara dos Deputados. Mais de 180 propostas que já tramitam na Casa sugerem mudanças no Estatuto do Desarmamento) com essa finalidade.

Prós

Líder do DEM, o deputado Elmar Nascimento (BA) concorda que a medida reduz a subjetividade do processo. “É importante que tenhamos critérios objetivos no trâmite da posse de armas, para evitar riscos e injustiças, e realmente a medida beneficiar o cidadão comum”, manifestou-se o parlamentar, em nota divulgada no site do partido.

Contra

O líder do PT, deputado Paulo Pimenta (RS), anunciou nesta terça-feira (15), horas após a assinatura do decreto, que o partido vai questionar a medida no STF (Supremo Tribunal Federal), por meio de uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) a ser protocolada nos próximos dias. Ele disse ainda que apresentará em fevereiro à Câmara um projeto de decreto legislativo com o objetivo de sustar o decreto.

Exagero

Segundo o deputado petista, além de inconstitucional, a medida assinada levará ao aumento dos índices de violência e mergulhará o País no caos. “O Partido dos Trabalhadores é frontalmente contrário a esse decreto, porque ele extrapola o poder de regulamentar atribuído ao Poder Executivo, invadindo competências do Legislativo”, sustentou.

Curta no Facebook
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS