O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   27 de Janeiro de 2022
Publicidade

Decreto de emergência do Governo ajuda produtores prejudicados com a estiagem

Levantamento feito pela Aprosoja-MS, Semagro e Famasul mostra que a estiagem em MS provocou a retração de 4,77% na produtividade

11/01/2022 - 08h25

Campo Grande

Levantamento feito pela Aprosoja-MS, Semagro e Famasul mostra que a estiagem em Mato Grosso do Sul provocou a retração de 4,77% na produtividade prevista para safra de soja de 2021/2022, caindo de 56,38 para 53,69 sacas por hectares.  


A expectativa que era de 12,773 milhões de toneladas, agora está em 12,164 milhões.Para ajudar e apoiar os produtores que foram prejudicados com este cenário, o governador Reinaldo Azambuja decretou, na semana passada, a situação de emergência em todo Estado devido a estiagem. 


Esta ferramenta permite que o produtor acione o seguro agrícola, o Proagro (Programa de Garantia da Atividade Agropecuária) e busque prorrogar as parcelas dos financiamentos.


“Desde o mês de dezembro, estamos monitorando a questão da estiagem e seca prolongada em Mato Grosso do Sul. Estamos com volume de chuvas muito pequenas, que trazem grandes problemas em todo Estado, por isso decretamos a situação de emergência nos 79 municípios”, afirmou o governador.


O titular da Semagro, o secretário Jaime Verruck, destacou que a estiagem teve relação direta nos números da safra. “Pela produtividade média que era de 58 sacas por hectares, a nossa estimativa inicial era chegar nos 12,77 milhões de toneladas, mas ao longo deste processo, tivemos o problema de crise hídrica muito forte em dezembro, principalmente no Conesul, de Dourados, Ponta Porã até Mundo Novo, que foram as áreas mais afetadas”, afirmou o titular da Semagro, o secretário Jaime Verruck.


Na comparação com a produtividade da safra 2020/2021 houve uma retração de 14,56%, passando de 62,84 sacas por hectares para 53,69. Neste cenário a produção caiu 8,58%, passando de 13,306 milhões (toneladas) para 12,164 milhões.


“Já houve esta perda efetiva consolidada, agora vamos monitorar e verificar como isto vai ocorrer nos próximos meses. Já se iniciou a colheita da soja em algumas áreas e depois segue o plantio do milho. Além da perda na economia, temos que lembrar que muitos produtores fizeram contrato e vendas antecipadas junto ao mercado”, ponderou Verruck.


O secretário, no entanto, destacou que ao menos a área plantada de soja foi a recorde neste ano, tendo um aumento de 7% comparada a safra do ano passado, passando de 3,529 milhões de hectares para 3,776 milhões (hectares). “Trata-se de uma estratégia que o governo desenvolveu de recuperação de áreas, para novas áreas para produção de soja”, explicou.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Economia
Colunistas
Ampla Visão
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS