O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   20 de Fevereiro de 2020
Publicidade

'Não é populismo, é vergonha na cara', diz Bolsonaro sobre tributo de combustível

Na quarta, presidente disse que zerava tributos federais dos combustíveis caso os governadores aceitassem zerar o ICMS. 

06/02/2020 - 14h56

G1

Bolsonaro durante entrevista coletiva em frente ao Palácio da Alvorada (Foto: Guilherme Mazui/G1)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (6) que se trata de “vergonha na cara”, e não de um ato de “populismo”, sua recente crítica ao preço dos combustíveis.


Nesta quarta-feira, Bolsonaro disse desafiar os governadores e afirmou que zera os tributos federais (CIDE e PIS/Cofins) sobre os combustíveis se eles zerarem o ICMS. Após a declaração, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou ao blog do colunista Valdo Cruz que se tratava de “populismo” do presidente e “uma tentativa de transferir a responsabilidade” do problema para os estados.


O presidente voltou a falar do assunto nesta quinta ao ser questionado se trabalharia para melhorar a relação com governadores. Além de Doria, ele se referiu ao governador Wilson Witzel, do Rio de Janeiro, que também foi criticado na entrevista.


“Chega de esse povo sofrer. Isso não é demagogia. Os dois governadores que estão me criticando... Isso não é populismo, não. Isso é vergonha na cara. Ou você acha que o povão está numa boa? Todo mundo feliz da vida com o preço do gás, com o preço da gasolina, preço de transporte?”, disse o presidente.

Bolsonaro também disse que não tem a "mesma plumagem" dos dois governadores e que é pobre perto deles.


"Eu sei que eu sou um cara diferente de alguns políticos que temos no Brasil. Eu sou um cara pobre, miserável. Se bem que eu sou mais rico que 98% da população. Eu sei disso, mas perto desses caras eu sou pobre e parece que meu cheiro não faz bem para eles. Minha plumagem é diferente da deles", disse o presidente.


Disputa sobre ICMS


O presidente defende há meses mudanças na cobrança do ICMS sobre combustíveis. Para ele, o tributo deveria ser cobrado nas refinarias, e não no ato da venda no posto de combustível, como ocorre atualmente.


Na entrevista desta quinta, ele disse fazer "papel de otário", já que a Petrobras reduz o preço médio da gasolina e do diesel nas refinarias, mas, segundo ele, a diferença não é repassada para o consumidor. Para o presidente, caso não haja mudança, o preço do combustível não deveria ser reduzido na refinaria.


"Quanto é que vai baixar na bomba para o consumidor? Zero. Então eu estou fazendo papel aqui de otário. Se bem que eu não interfiro na Petrobras. Eu não vou ligar para o Castello Branco [Roberto, presidente da estatal]: 'Ó, não baixa mais’. Eu não interfiro na Petrobras", declarou.


No domingo (2), pelas redes sociais, Bolsonaro anunciou que enviará ao Congresso um projeto para que o ICMS tenha um valor fixo por litro.


A ideia do presidente encontra resistência por parte de governos estaduais, já que causaria impacto sobre a arrecadação dos estados, efeito indesejado principalmente neste momento de dificuldades fiscais por que passam várias unidades da federação.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Publicidade
Mais em Economia
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
Não
Não sei
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS