O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   28 de Março de 2020
Publicidade

Carnaval de 2020 deve injetar na economia mais de R$ 4 bilhões no Rio

Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio

21/02/2020 - 11h08

EBC

Carnaval de 2020 deve injetar na economia mais de R$ 4 bilhões (Foto: Divulgação)

As escolas de samba contribuem para movimentar a economia carioca durante todo o ano, afirmou ontem (20), em entrevista à Agência Brasil, o economista do Ibre-FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), Marcel Balassiano. 


De acordo com a Riotur (Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro), o carnaval deste ano deverá injetar na economia formal e informal da cidade, no período que inclui os dias da festa de Momo e a semana anterior, mais de R$ 4 bilhões, superando os R$ 3,78 bilhões apurados no evento de 2019.


Balassiano destacou que as agremiações têm impacto muito forte na economia, por meio dos setores hoteleiro, de bar, de alimentação e de transporte. 


“Não é só nos dias de carnaval. As escolas têm impacto o ano inteiro na indústria do carnaval, com diversos tipos de produções trabalhando nos barracões e nas quadras, e movimentando a economia formal e informal”.


Deu como exemplo um ensaio de rua ou de quadra. Quando esse tipo de evento ocorre, leva para o bairro muitas pessoas que consomem nos bares, restaurantes e, inclusive, ambulantes.


 “Isso acaba sendo mais importante nesse momento em que o Rio de Janeiro e o Brasil estão vivendo de recuperação, ainda devagar, da recessão que o país passou entre 2014 e 2016. E a pior consequência dessa recessão é o mercado de trabalho, que está em situação bastante precária”, analisou Balassiano.


Pesquisa feita pela FGV a pedido do Ministério do Turismo, com dados de 2018, revela que o impacto do carnaval na economia naquele ano atingiu R$ 3 bilhões, gerando mais de 70 mil postos de trabalho e uma arrecadação de impostos de R$ 179 milhões, sendo R$ 77 milhões de ISS (Imposto sobre Serviços) para o Rio de Janeiro. 


Entre os turistas, 88% foram brasileiros, com permanência média de 6,6 dias cada e gastando R$ 280,32 por dia, em média. Já os 12% de estrangeiros ficaram mais dias (7,7 dias), gastando em torno de R$ 334,01 por dia.


Informalidade


Envolvendo os desempregados, os sub-ocupados e os 40 milhões de pessoas que estão na informalidade, o Brasil soma quase 70 milhões de indivíduos em situação mais precária no mercado de trabalho, dos quais 5 milhões estão no estado do Rio de Janeiro, disse o economista da FGV. Na informalidade, o estado do Rio detém cerca de 3 milhões de pessoas. 


“Esses eventos (ligados ao carnaval) acabam ajudando nessa questão da informalidade”. Isso ocorre em todos os municípios que têm escolas de samba, observou Balassiano.


Destacou que o setor do turismo tem muita importância para o desenvolvimento econômico. O indicador de atividade econômica do Rio de Janeiro, calculado pelo Banco Central (IBCR – RJ), mostra que 2019 foi o primeiro ano em que o estado voltou a crescer. 


“Foram quatro anos de queda nessa recessão”. No ano passado, porém, a economia do estado experimentou 1,3% de expansão. Em contrapartida, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o setor de serviços fluminense caiu 0,5%, em 2019. “Foi o quinto ano consecutivo de queda para um setor que é muito importante na economia do estado.”


O economista avaliou que uma das principais saídas para o Rio de Janeiro prosperar mais em termos econômicos é ver o turismo com mais cuidado e atenção, pelos benefícios que o setor traz para a cidade e para o estado como um todo. Marcel Balassiano salientou que a agenda turística do Rio tem dois principais eventos anuais, que são o reveillon e o carnaval e, de dois em dois anos, o Rock in Rio. Mas o turismo e a economia do Rio não deveriam movimentar só mega eventos, observou.


Defendeu que se houvesse uma agenda de turismo o ano inteiro, com a realização de congressos, turismo de negócios, a cidade e o estado conseguiriam manter um fluxo constante de turistas, o que favoreceria a economia e eliminaria a queda experimentada no setor de serviços.


Torcedor


Sem subsídios da prefeitura carioca, as escolas de samba do Grupo Especial precisam, cada vez mais, de dinheiro privado. A receita da venda de ingressos para os desfiles no Sambódromo é dividida pela Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) com as agremiações, que ganham também parte da venda dos direitos de transmissão do show na Marquês de Sapucaí. Faturam ainda com os eventos nas quadras.


Marcel Balassiano citou também que muitas escolas já adotam o Programa Sócio Torcedor, usado por muitos clubes de futebol, mas considerou que elas precisam dar maior divulgação e melhorar os atrativos para conquistar mais sócios e, em consequência, ter mais recursos. 


“Salgueiro, Portela, Mocidade, entre outras escolas, possuem programas para seus sócios, com diferentes benefícios”. Ele acredita que o futuro passa um pouco por aí, para ajudar as escolas a terem uma parte financeira melhor.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Geral
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
Não
Não sei
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS