O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   18 de Junho de 2019
Publicidade

Prefeitos buscam apoio de deputados na CCJ em favor da unificação das eleições

Eles querem que os deputados federais Fábio Trad (PSD-MS) e Dagoberto Nogueira (PDT-MS), membros do colegiado, votem favoráveis. 

06/06/2019 - 12h03

Willams Araújo

O presidente da Assomasul, Pedro Caravina, fala durante a reunião (Foto: Flávio Araújo)

Prefeitos de Mato Grosso do Sul começaram a procurar os deputados federais Fábio Trad (PSD-MS) e Dagoberto Nogueira (PDT-MS), membros da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, na tentativa de convencê-los a aprovar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que coincide as eleições de todos os cargos eletivos no país.


A emenda constitucional que prevê a unificação dos pleitos entrou na pauta municipalista da CNM (Confederação Nacional de Municípios) e movimentou Brasília nos últimos dias.


O presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) e integrante do Conselho Político da CNM, Pedro Caravina, participou esta semana em Brasília de nova rodada de discussões em torno desse tema que ganhou destaque no Congresso Nacional.


Caravina defende a unificação das eleições, justificando, entre outros fatores, o custo de R$ 4,5 bilhões a cada pleito, além do fato de coincidir os planos de investimentos federais, estaduais e municipais.


Segundo ele, o Plano Plurianual dos Municípios nunca coincide com o Plano Plurianual do governo federal e do governo estadual, dificultando assim, os investimentos essenciais.


MOBILIZAÇÃO


O presidente da CCJ da Câmara dos Deputados, Felipe Francischini (PSL-PR), pretende colocar em pauta a PEC 376 na próxima quarta-feira.


O texto agrada aos gestores que precisam de tempo para colocar a casa em ordem.


O relator da proposta que coincide as eleições, deputado Valtenir Pereira (MDB-MT), é favorável a mobilização dos prefeitos, inclusive tem os orientado a procurar as bancadas federais nos estados para aprovar a admissibilidade da matéria no âmbito na CCJ.


Para que o pleito de 2020 possa ser adiado e prorrogado para 2022, é necessário aprovar a PEC até 4 de outubro deste ano.


O relator deu parecer favorável a proposta que estabelece a coincidência geral dos pleitos para todos os mandatos eletivos, aumenta de 8 para 10 anos o mandato de senador, estabelece o mandato de 5 anos para todos os cargos eletivos e põe fim ao instituto da reeleição para os cargos do Poder Executivo.


Os autores da proposta justificam que o projeto vem para cortar o alto custo de cada pleito eleitoral.


Para Valtenir, a PEC trará economia, num projeto econômico e coerente com o atual sistema eleitoral do país, financiamento público de campanha.

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Mais em Municípios
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Enquete
Você acha que a operação Lama Asfáltica vai acabar com algum político ou autoridade na cadeia?
Sim
30.77%
Não
63.46%
Não sei
5.77%
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS