O 1º site político de Mato Grosso do Sul   |   09 de Julho de 2020
Publicidade

Mandetta defende que “travamento absoluto” não é bom para o país

Ele defendeu uma discussão a respeito do "lockout" que vem sendo promovido por governadores e prefeitos.

24/03/2020 - 17h35

Valor

O ministro Mandetta, da Saúde (Foto: Isac Nóbrega/Agência Brasil)

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta terça-feira (24) que o "travamento absoluto do país" é péssimo para a saúde. Ele defendeu uma discussão a respeito do "lockout" que vem sendo promovido por governadores e prefeitos, apesar de dizer que "não é hora de apontar o dedo para ninguém".


"Esse travamento absoluto do país para a saúde é péssimo. Eu continuo precisando de pré-natal. De repente, estou lá cuidando de um vírus e cadê o pré-natal? Cadê a quimioterapia? Cadê o pessoal que está precisando fazer o diagnóstico?", disse a jornalistas ao deixar o Palácio do Planalto.


"Quando você para tudo é ruim para a saúde. Como faz para produzir o que precisa? Preciso de ventilador, preciso de algodão, preciso de máscara, eu preciso de aeroporto aberto."


Mandetta participou de teleconferências com governadores do Centro-Oeste e do Sul sobre a crise do coronavírus na manhã desta terça-feira, no momento em que diversos Estados levantam restrições à circulação de pessoas e ao funcionamento de empresas consideradas não essenciais.


"Não dá para você chegar e dizer o que é essencial e o que não é. Se você precisar de um mecânico para consertar o eixo da ambulância, o mecânico é a pessoa mais essencial naquele momento, porque sem ele não anda a ambulância", disse.


"O que não é fundamental? Essa é a discussão que tem que ser feita nessa hora. Nós somos uma grande engrenagem, em que um movimenta o outro", completou.


Mandetta disse ainda que "as pessoas, quando tomam medidas duras como essa de lockout, têm que saber muito bem o que estão fazendo".


"É uma medida que você toma em determinada circunstância, em determinada situação. E às vezes você tem que ver qual o tempo certo, o aviso com antecedência, como fazer, os aviso essenciais", afirmou.


Para o ministro, "não é momento de apontar o dedo, certo ou errado. É reconhecer rapidamente que algumas coisas funcionam rapidamente em determinado momento, como funcionam e como a gente pode adotar."


Segundo Mandetta, "os governadores já estão vendo que em alguns casos aceleraram, passaram do ponto, não estavam com as normativas".

Leia Também
Comente esta notícia
0 comentários
Publicidade
Mais em Política
Colunistas
Ampla Visão
Coluna do Roberto
Raquel Anderson
Copyright © 2004 - 2015
Todos os direitos reservados
Conjuntura Online
Rua São Remo, 390
Jardim Vilas Boas, Campo Grande / MS